O tempo dos monstros*

27.7.19

«A crise consiste no facto de que o velho morre e o novo não pode nascer: neste interregno verificam-se os mais variados sintomas mórbidos.» Da cela onde, há 80 anos, viria a morrer, Gramsci descrevia os nossos tempos com sibilina precisão.

Donald Trump, arrais do capitalismo mundial e pontífice das ocidentais democracias à sua imagem criadas, veio a terreiro mandar quatro congressistas democratas «para a terra delas». Literalmente. O mundo, já algo dessensibilizado para os tweets de Trump, lavrou a cita nos rodapés dos noticiários e mandou arquivar, para amnésia futura, sob «Trump a ser politicamente incorrecto».

Mas Ocasio-Cortez, Ayanna Pressley, Rashida Tlaib e Ilhan Omar são, note-se, estado-unidenses: as primeiras três por nascimento, a última por cidadania adquirida em criança. E Trump sabia-o, como também sabia que Obama nascera nos EUA, o que tampouco o impediu de, até hoje, insinuar o contrário. A nacionalidade é a mais importante arma ideológica de Trump, que se declara, aliás, «nacionalista». Na mesma tirada de tweets, Trump descreveu as congressistas como «anti-América», nação que as acusou de «odiar» e prometeu-lhes que «A América nunca será comunista», pelo que «SE NÃO ESTÃO BEM AQUI, VÃO-SE EMBORA» [sic]. Ou seja, "a América" é um país tão profundamente racista que condenar o racismo pode ser visto como odiar a própria "América".

Trump não tem, no entanto, razões para se preocupar com a possibilidade de as quatro congressistas democratas trazerem o comunismo para os EUA. As quatro são, quando muito, social-democratas que vêem na Escandinávia um modelo de "socialismo democrático" e que nem por isso deixam de assinar de cruz todas as agressões imperialistas do seu país. Os Socialistas Democráticos da América, a organização de Ocasio-Cortez, mantém relações de grande amizade e solidariedade com terroristas de extrema-direita nicaraguense, com golpistas venezuelanos e com islamo-fascistas sírios. Ou seja, as quatro congressistas, malgrado variações de intensidade, defendem a política que está na origem do racismo que tanto denunciam: o imperialismo.

Mas para o magnata, ser «americano» é uma ideologia: rezar ao mesmo deus, odiar os mesmos inimigos, venerar os símbolos nacionais, amar as forças armadas, ter medo da diferença e pertencer à «raça branca». Este, podia tê-lo escrito Gramsci, é, efectivamente, o tempo dos monstros. A ideologia nacional de Trump não é nova. Foi sendo, durante o último século, visceralmente embutida na consciência popular. Theodore Roosevelt dizia que o «americanismo» é «uma questão de espírito, convicção e dever, e não uma questão de crença ou de nascimento», mas, e Trump percebeu-o, o conceito tão moldável que com ele também se pode dividir a classe trabalhadora, ganhar eleições e construir o fascismo.

Leia-se por este prisma a guerra declarada por Trump aos trabalhadores imigrantes. O Presidente dos EUA chama aos imigrantes «violadores» e «traficantes», refere-se publicamente às suas pátrias como «países de merda», encoraja a delação dos não-documentados e celebra, ufano, «as maiores rusgas de sempre». A Casa Branca, que esta semana declarou o fim do asilo, franqueou o trilho a milhares de actos de violência nas ruas, nas escolas e nos locais de trabalho de todo o país, alargando ainda o vasto sistema de campos de concentração ao longo da fronteira com o México onde crianças são enjauladas, abusadas e, por vezes, «suicidadas». Há metade de uma América, ideologicamente americana, com cicatrizes da guerra civil, que aceita tudo isto. E é assim que alguém um dia patrioticamente faz notar que nos campos de concentração não cabem só imigrantes.

*Versão integral de um texto originalmente publicado no jornal Avante! N.º 2381 de 18 de Julho de 2019

Relacionados

  1. 'pontífice das ocidentais democracias' e do mais que convenha ao discurso da treta,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta boca (torta) só pode vir de uma mente desorganizada e que põe no prato comida de plástico, feita em qualquer Mac Donald's.

      Eliminar
    2. "Donald Trump, arrais do capitalismo mundial e pontífice das ocidentais democracias à sua imagem criadas"

      Não gosta jose que lhe desmascarem os ídolos ou os sues discursos da treta?

      Eliminar
  2. Uma cortina de ferro na entrada é bem mais democrática que uma cortina de ferro na saída.
    Só para que se saiba.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O José Mim sofre de flatulência aguda.

      Eliminar
    2. "Mais democrática"?

      Não é que se adivinha a admiração boçal e enternecida por Trump,arrais do capitalismo mundial e pontífice das ocidentais democracias à sua imagem criada"?

      Por isso a invectiva contra quem desmascara o seu discurso da treta?

      Eliminar
  3. Para que se saiba:

    O conceito de democrata é bastante curioso para alguns saudosistas de antanho. Agora funda-se em cortinas de ferro ou de latão

    O país-prisão que era o nosso no tempo do fascismo era assim uma democracia do tipo mais mais ou mais menos mais?

    Os berros de "para Angola e em força" repenicados por jose, eram um apelo à cortina de ferro democraticamente a cair sobre os colonizados pelos colonizadores democraticos?

    ResponderEliminar
  4. Talvez não seja má ideia ver ou rever o filme «Trumbo» de Jay Roach. O fanatismo de alguns «rednecks» relembra muito aquilo que se passou na Alemanha nos anos trinta.

    ResponderEliminar
  5. Entre os «redheads» e os «rednecks» a diferença é no essencial nula: brutalidade a diverso nível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na tua cabeça de cretino, incompetente e estúpido, talvez...
      No entanto, se formos ao dicionário (pai dos burros e saloios, como o José Mim) existem diferenças.

      Eliminar
    2. Talvez um dicionário para este tipo de nickname jose?

      Para ele perceber que a sua ignorância é afinal uma brutalidade.?

      Eliminar