O detalhe

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Figura essencial do Portugal democrático. Génio. Implacável. Exigente. Visão de futuro. Estratega. Império. Riqueza. Começou do nada. Marcante. Determinação. Trabalho. Empenhamento social. Gerador de milhares de empregos. Têm sido estas as palavras ouvidas e lidas durante todo o dia sobre Belmiro de Azevedo. Uma pessoa maravilhosa, um dos 1.200 mais ricos do mundo. Independentemente de tudo, dizem, conseguiu criar uma enorme empresa.

Só que esse independentemente de tudo, é tudo o que importa, porque é a vida das pessoas e a sua sobrevivência. É esse detalhe. Vivemos num tempo estranho em que somos capazes de elogiar quem condena milhares à miséria, porque independentemente de. Lá fora é igual. O caso da Inditex, dona da Zara, e do seu administrador, um dos mais ricos entre os mais ricos, faz capas por isso. Mas utilizar mão de obra infantil passa a ser um detalhe. Esta reportagem da Visão sobre os trabalhadores dos supermercados, de Abril deste ano, diz quase tudo. Belmiro de Azevedo foi um explorador como outro qualquer:

Rui trabalha nos armazéns da Sonae há 17 anos. Leva para casa entre 540 e 560 euros, incluindo o subsídio de refeição. "Para viver com as condições mínimas, tenho de ter dois empregos: saio do armazém ao fim da tarde e aindavou dar aulas de basquetebol noite adentro."

De facto, talvez tenha sido mais inteligente do que outros, até quando percebeu que investir num jornal que dá prejuízos trar-lhe-ia dividendos. E hoje, na sua morte, está a colher os dividendos disso mesmo, de ter quem ache que foi um benemérito, como se tivesse aberto um jornal para dar alguma coisa às massas incultas. Pensemos: o que leva uma pessoa com tanto tacto para o negócio, tão bem sucedido, a manter uma negócio que dá prejuízo? Por absurdo, imaginamos Belmiro a segurar o Continente durante anos, caso desse prejuízo?

Fala-se, hoje, do principal responsável pela desregulação dos horários do comércio, pela sua abertura aos fins-de-semana e feriados, pela consequente desregulação da vida de milhares de pessoas, até à vida dos milhões de hoje.

E porque há-de a morte de um empresário merecer um voto de pesar do Parlamento? De alguém que disse que só há competitividade com baixos salários? Expliquem lá o que há para agradecer ao certo? Quantos votos de pesar mereceram a morte de trabalhadores?

Isto é o verdadeiro politicamente correcto. Esta coisa de que todos são muito bons depois da morte e quem não se associar ao carpir generalizado é um monstro. É isto o politicamente correcto. E gente que se diz de esquerda escrever artigos do nível – ou falta dele – de Rui Tavares sobre o dono do Público, demonstra bem aquilo que disse atrás. Belmiro defendia que não há almoços grátis. Pois não.

3 comentários:

  1. Ou somos uns oportunistas do piorio e choramos lágrimas, mesmo que de crocodilo, pela morte do Belmiro de Azevedo ou outros que tais, ou somos seus lacaios e choramos a sua morte porque o "Padrinho " morreu, ou somos gente vertical e não esconde o que sentia e sente por tal pessoa, no meu caso asco pelo seu papel social! Não se trata aqui de deitar foguetes pela sua morte, de achincalhar a sua memória perante familiares, trata-se de se ser coerente e dizer de tal pessoa o que se pensava e pensa e que a morte não alterou. Como somos anti-capitalistas, nenhum capitalista nos merece respeito enquanto no seu papel social, estando vivo ou morto. A pessoa em causa, que nunca vi mais gorda ou mais magra na minha vida nada me diz que não negativamente. É natural que os seus familiares, quem o conheceu de perto e não tenha dele razões de queixa e aqueles a quem deu a mão, seja porque razão tenha sido, gostem dele. Assim é a vida! Amanã quem de mim não gosta que se sinta totalmente livre de dizer cobras e lagartos. Mas que o faça com verdade! Parafraseando Boris Vian, "irei mijar nas vossas campas"!

    ResponderEliminar
  2. Mas se fez uma carreira de músico - ainda que bombada a heroína - aí há que levantar e bater palmas.
    Música!

    ResponderEliminar