A democracia na Ucrânia veste de preto e vermelho.

24.2.14

A excitação generalizada dos jornalistas a quem se permite a entrada na Praça Maidan tem escondido que os mais activos manifestantes ucranianos “pró-democracia” envergam as cores do neo-nazismo.

Herdeiros dos poucos ucranianos que se juntaram aos ocupantes nazis na Segunda Guerra Mundial, são estes os braços que derrubam as estátuas de Lénine e dos combatentes patriotas ucranianos que lutaram e morreram para que o nazi-fascismo fosse corrido das suas terras. Foram 600 mil os combatentes soviéticos que morreram a defender Kiev. Milhões morreram a defender a Ucrânia e dezenas de milhões tombaram em defesa da Pátria Soviética, libertando a Europa.


Os herdeiros da besta nazi que se apresentam hoje como os verdadeiros nacionalistas ucranianos reclamam de novo – aos microfones da TV daquele País e das demais que vibram com a nova-democracia da moda – «a morte dos comunistas, judeus, e russos». São estes os “heróis” de Maidan, de Merkel e Obama.

A ocasião parece ser soberana para fazer com que a Ucrânia deixe de o ser. Há muito descontentamento neste País, justo, justíssimo, contra a oligarquia de Ianukovick, o actual presidente, como havia, justo, justíssimo, contra a oligarquia de Timochenko, ou de Iuschenko, seus antecessores. Um descontentamento terrível, de um povo traído sistematicamente pelas promessas de um paraíso que tarda em suceder-se à ex-União Soviética. Promessas que mais não têm significado que frio, fome, desemprego, doenças e abandono. Esse povo, esse descontentamento, não está nem esteve nas ruas de Kiev.

Apesar da terrível situação em que vive, o povo ucraniano não se revê nestes protestos nem nos seus objectivos fascizantes. O que os ucranianos querem e não têm é trabalho, prosperidade, meios para o desenvolvimento humano, económico e social, saúde e bem-estar, justiça e oportunidades.

Estes protestos não são expressão dessa exigência, não exprimem nenhum conflito de classe e são simplesmente uma convergência de oportunidade entre oligarcas, tecnocratas nacionalistas, fascistas e agrupamentos neo-nazis para promoverem um golpe de Estado. Convergência entre aqueles que já possuem, compram e vendem quase tudo: gás, políticos-tecnocratas, clubes de futebol, empresas de média, tribunais, polícia, banca; e o banditismo neo-nazi que vai fazendo o circo nas ruas e musculando a nova ordem. Convergência entre aqueles que têm feito da Ucrânia nos últimos 20 anos um retrato desastroso do que o capitalismo tem de mais mafioso, corrupto e desumano e os que defendem tudo isto somando o negro e vermelho do terrorismo nazi-fascista. Estão juntos para “libertar” a Ucrânia da sua honra e da sua História e preparados para construir a “democracia” começando com a proibição dos partidos políticos e a perseguição nas ruas a comunistas e judeus.

O golpe está consumado. UE, EUA, FMI e NATO podem começar a armar a sua oligarquia e impedir que povo ucraniano saia da crise para o lado certo. Está em marcha a nova ordem: Svoboda. É assim que re-começa o fascismo, quando o capitalismo em falência se organiza para endurecer a repressão e a exploração.

Toda a solidariedade aos comunistas ucranianos. Que resistam e ensinem como se resiste a mais uma geração de cobardes nazis.

Relacionados

  1. Anónimo24/2/14

    Quero recordar-lhe que os judeus são os grandes beneficiários e apoiadores desse golpe de Estado. Por favor, com a internet não se pode mais ser ingênuo. Poedrias tirar os judeus da lista de perseguidos?

    ResponderEliminar
  2. Sabemos que o que moveu os protestos de rua na Ucrania na rua pouco terá a ver com o povo daquele País, o que será de esperar os problemas da Ucrania ainda vão começar agora e poderá ser o fim do princípio ou o princípio do fim .......entre o preto do fascismo eo vermelho da liberdade ............

    ResponderEliminar
  3. Estranho reflexo condicionado este que, à falta de referências para a ordem comunista, transfere a sua fé para um território que há mais de 20 anos é pasto de uma plutocracia directamente derivada da nomenklatura soviética.
    O que parece relevar é a vontade de que assim devam permanecer, na vã ambição de que dos males presentes surja a ambição de restaurar o passado.
    Só que a nova liberdade trouxe a internet onde se diz haver outros rumos, e há quem esteja pronto a morrer por isso...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo24/2/14

    José fala em reflexo condicionado a propósito de referências e doutras tretas do género.
    Reflexo coindicionda só me lembro no presente do de passos coelho ao chamar o Relvas de novo para o seu lado, para os trabalhinhos da ordem.Relvas que recorde-se foi muito chorado por josé condoído do destino do seu colega.

    Porque falo agora disto?
    Porque os disparates têm um limite.
    Joség "esquece-se" que o quanto pior melhor, nunca foi a forma de actuar de quem está ao lado dos povos pela sua emancipação.José "esquece-se" que o facto da Ucrânia ser hoje pasto do capitalismo (com os resultados à vista), não é motivo para abandonar este país aos vermes dos fascistas.José "esquece-se" do que diz o autor do post e tenta atirar poeira para o ar.José esquece-se e distraído fala em gente pronta a morrer, tal como outrora os franquistas urravam com os "viva la muerte" como paradigma da sua condição e da sua torpe ideologia.

    Todos sabemos o cerco que se está a processar em relação à Rússia.Todos sabemos que esta ,o Irão e a China constituem obstáculos à hegemonia dos EUA , uns dos tais credores a queJosé genuflexa e obedece.
    Todos sabemos que o fascismo avança, com o beneplácito dos Josés deste mundo. A tentativa de identificar o actual poder político da Ucrânia com os comunistas é não só torpe como reveladora dum admirador de goebbels.Mas José ainda insiste e tenta acusar a presente situação na Ucrânia de ser da responsabilidade duma nomenklatura soviética.
    José mente, aldraba, manipula e faz este triste espectáculo."Esquece-se"que a URSS caiu com fragor mas ele é o primeiro a lembrar tal nos seus comentários rascas sobre a libertação desses povos do papão comunista ( é ele que o diz).Lembra-se agora da dita nomenclatura na Ucrânia, obliterando que esta é a colheita dos que venceram os comunistas..
    Tal como em Portugal ainda há pulhas que perante a presente situação em que vivemos se atrevem a tentar culpar os comunistas pelo facto de terem participado em governos nos anos de 74 e 75,também há josés que ainda se atrevem a .fazer tais númeors de desinformação.

    O fascismo avança da Ucrãnia mas não só.Com os reflexos condicionados de passos e companhia.

    De

    ResponderEliminar
  5. Anónimo24/2/14

    e so nabos a falar daquilo que nao fazem ideea o que e... falam barato!

    ResponderEliminar
  6. Anónimo25/2/14

    A Ucrânia pretende libertar-se do governo capitalista que até agora a domina. No entanto, parece esquecer-se de que está a usar as mesmas armas que noutros tempos foram investidas contra ela, empurrando-a para a sua situação actual. O pior de tudo isto é que os próprios 'lideres' ucranianos estão do lado de quem os guiou para o abismo, dando a ideia de que são aqueles que estão simbolizados na estátua de Lenine, os defonsores do povo, são os responsáveis pela sua miséria.

    ResponderEliminar

  7. José agradeço que me explique a relação que existe entre os acontecimentos presentes na Ucrânia e essa tal nomenklatura soviética que tantos fornicoques lhe provoca?

    É que no seu comentário tem o atrevimento de escrever um disparate que prova o grau de ignorância que tem sobre o assunto. (isto para não dizer o nome próprio).

    Citação sua: “Estranho reflexo condicionado este que, à falta de referências para a ordem comunista, transfere a sua fé para um território que há mais de 20 anos é pasto de uma plutocracia directamente derivada da nomenklatura soviética.

    Sabe qual era o lugar que a Ucrânia ocupava à escala mundial quando da desagregação da URSS?

    Vou dar-me ao trabalho de prestar-lhe alguns esclarecimentos sobre o que era a Ucrânia no tempo da URSS.
    Espero que lhe sejam uteis no sentido de o ajudarem a parar com o chorrilho de asneiras com que costuma brindar os outros participantes. Portanto comigo não tente insistir com mentiras.

    Em 1991 a economia Ucraniana ocupava a décima posição mundial. Leu bem? Décima, 10ª ! Hoje sabe onde se situa? Se sabe diga!
    Tinha o sistema mais avançado de produção de aço do mundo (em Zaparogia) sistema contínuo de produção. Sabe como funciona?

    Era na Ucrânia que se construíam as maiores turbinas do mundo para centrais electricas (nucleares, térmicas e hidroeletricas).
    Aqui: http://www.turboatom.com.ua/en/

    Este complexo fabril produzia, compressores gigantes, turbinas a gás, equipamentos para prospeção de petroleo etc.

    Era também na Ucrânia (Nikolaev) que se situavam os maiores estaleiros de construção naval da URSS.
    Foi na Ucrânia que se construiu o maior avião de transporte existente até hoje.

    http://www.youtube.com/watch?v=lDXnv412gG8
    Isto é uma pequena mostra daquilo que o capitalismo herdou da URSS. Não criou nada, não começou do zero.
    Tudo o que o capitalismo fez em vinte anos foi destruir o melhor que o Socialismo deixou.

    Cin-Gori

    ResponderEliminar

  8. O complexo industrial que me referia no comentário anterior que produz ( produzia) Compressores gigantes, turbinas a gás e equipamentos para a industria petrolifera, é este.


    http://frunze.com.ua/index.php?option=com_content&view=article&id=75&Itemid=28&lang=en


    Este é o historial desta fabrica. Foi pioneira em muitas tecnologias que nos países capitalistas só muitos anos mais tarde apareceram.

    Aqui:

    http://frunze.com.ua/index.php?option=com_content&view=article&id=299&Itemid=57&lang=en

    ResponderEliminar
  9. Cin Gori,
    Não conheço e nada tenho a negar quanto aos progressos verificados na URSS e aos benefícios que possam ter resultado para os ucranianos.
    As questões são bem outras, e têm a ver com o seguinte:
    - Pôde verificar-se uma larga colonização russa que, se levada à letra a autodeterminação dos povos nos seus territórios tradicionais, teríamos um tremendo problema étnico que tudo indica poder estar a ser promovido e manipulado. Seguramente terá alguma coisa a dizer sobre os direitos do colonizador...
    - Se é que houve 20 anos de corrupção e capitalismo selvagem, a minha curiosidade vai para o facto de ao fim de tão longo processo o PC ucraniano apoiar esse status quo.
    Pode esclarecer-me estes dois pontos?

    ResponderEliminar
  10. Anónimo26/2/14

    Direitos do colonizador?
    Deve estar enganado.Um manual de História pode refrescar-lhe a memória sobre a integração por exemplo da Crimeia na Ucrânia.Tal como verificar as tensões nacionalistas que ocorreram no anterior território da URSS e como foram resolvidas/manipuladas ou arranjadas.
    Há um "pormenor" muito curioso que demonstra a forma como se manipula a História e como se "esquecem" os princípios que se usam de vez em quando na lapela para fazer flores:
    "Em Março de 1991, num clima de paixões nacionalistas, ocorreu o referendo sobre a preservação da URSS. Os governos de seis repúblicas recusaram-se a organizar a consulta (as três bálticas que haviam declarado a sua independência, embora não efectiva; e da Arménia, Geórgia e Moldávia), apesar de que oitenta por cento dos eleitores soviéticos participaram, e os resultados deram uma percentagem de apoiantes da conservação de 76,4 e de 21,4 que votaram negativamente, valores que incluem as repúblicas onde o referendo não se verificou. O esmagador resultado favorável à manutenção da URSS foi ignorado pelas forças que trabalhavam para a ruptura: os nacionalistas e os “reformadores”, que já controlavam grande parte das estruturas de poder, bem como instituições russas. Yeltsin, como presidente do parlamento russo, praticava um jogo duplo: não se opunha publicamente à manutenção da União, mas activamente conspirava com outras repúblicas para destruí-la. De facto, uma das razões, se não a mais importante, do referendo de Março de 1991 foi a tentativa do governo central de Gorbatchev para limitar a voracidade dos círculos dirigentes de algumas repúblicas e, acima de tudo, para travar a louca corrida de Yeltsin para o fortalecimento de seu próprio poder, para o que precisava de destruir o poder central representado por Gorbatchev e o governo soviético."
    Há mais fica para depois.Porque agora interessa também denunciar algo bem mais grave

    De

    ResponderEliminar
  11. Anónimo26/2/14

    A corrupção e o capitalismo selvagem tomaram conta da Ucrânia.Com os resultados catastróficos já aqui relatados.Tão catastróficos que só mesmo manipuladores profissionais ou ingénuos os podem tentar ocultar.

    E aí entra a frase que interessa agora abordar que José dizsobre o PC ucraniano apoiar o status quo.
    José tenta aproveitar-se de alguma críticas justas ao PC ucraniano para a partir daí extrapolar para uma outra esfera.A esfera que lhe interessa mas que importa desmistificar e onde a mentira e a manipulação não poderão ficar impunes

    De

    ResponderEliminar
  12. Anónimo26/2/14

    "No momento da criminosa desintegração da URSS, consumada em 1991, a Ucrânia estava entre os dez países mais desenvolvidos do mundo. Isto, aliás, é reconhecido até pelos próprios nacionalistas burgueses.

    As prestações sociais eram extraordinárias, mas por vezes as pessoas não as valorizavam. A Educação era gratuita e havia um sistema de saúde pública de qualidade e, sobretudo, integralmente gratuito. Segundo os objectivos traçados pelo Partido, no ano 2000 todos deveriam receber gratuitamente uma habitação independente.

    Os preços dos principais produtos alimentares, as rendas de casa, os transportes, entre outros, não sofriam alteração há mais de 50 anos. Os serviços comunais, as tarifas do gás e da electricidade custavam kopeques [cêntimos de rublo]. As pessoas consumiam produtos naturais. Só quem vivia fora da URSS sabia o que era o desemprego, a inflação, os sem-abrigo, os despedimentos compulsivos, as falências de bancos e a perda das poupanças, os créditos a juros de 30 por cento, etc.."

    De

    ResponderEliminar
  13. Anónimo26/2/14

    "Éramos 52 milhões de habitantes. Tínhamos não só armamento nuclear (o terceiro maior arsenal do mundo depois da Rússia e dos EUA), mas também um exército com um milhão de efectivos, capaz de defender a população e destruir qualquer inimigo. O país desenvolvia-se. Nós orgulhávamo-nos do nosso Estado. Mas, de modo inconcebível, em apenas 20 anos, o equivalente a quatro planos quinquenais soviéticos, transformaram-nos num dos países mais atrasados não só da Europa como do mundo. Um dos mais atrasados e desamparados segundo todos os indicadores. Parece irreal, mas a traição e o capitalismo fizeram a sua obra.
    Tudo começou com a realização das reformas de mercado e a substituição do regime socialista pelo capitalismo. Este processo foi iniciado por Gorbatchov."

    De

    ResponderEliminar
  14. Anónimo27/2/14

    Ainda no mesmo artigo:
    "Por mais triste que seja temos de constatar que a composição da «nação» de que eles falam é a seguinte. Restam ao todo na Ucrânia cerca de 46 milhões de pessoas, dos quais:
    • cerca de dez milhões de ucranianos vivem abaixo do limiar da pobreza;
    • mais de três milhões estão desempregados;
    • cerca de 1,5 milhões passam fome;
    • cerca de dez milhões de reformados recebem a pensão mínima;
    • cerca de 190 mil ucranianos adoecem anualmente de cancro, morrendo 900 em cada 1500 pacientes;
    • cerca de 700 mil pessoas sofrem de tuberculose, segundo dados estatísticos do Ministério da Saúde da Ucrânia;
    • 440 mil pessoas estão infectadas com o vírus da SIDA;
    • cerca de 150 mil pessoas estão na prisão;
    • cerca de 900 mil pessoas sofrem de alcoolismo crónico;
    • cerca de 500 mil toxicodependentes estão registados oficialmente, segundo dados do Ministério do Interior;
    • quase 200 mil crianças vivem na rua;
    • cerca de um milhão de pessoas não têm abrigo;
    • 19 milhões são fumadores, 66 por cento dos homens e 20 por cento mulheres."

    Eis os "benefícios" do capitalismo.Eis os "benefícios" que os trafulhas da história querem rasurar do mapa, desviando a atenção para o status quo, a lembrar as jogadas dos nossos relvas

    De

    ResponderEliminar
  15. Anónimo27/2/14

    "Todas as reformas de mercado confluíram para o mesmo fim: a privatização da propriedade social, a destruição das explorações colectivas e a implantação sucessiva de um regime liberal ao serviço dos grandes proprietários. Infelizmente tudo foi feito para proporcionar a prosperidade de uma minoria e a pauperização da maioria.

    Todas as desgraças do nosso país são obra de Kravtchuk, de Kutchma, Iuchenko e de todos aqueles que estiveram no poder nos últimos 20 anos. É preciso compreender que ninguém perguntou ao povo se queria ou não mudar para a via capitalista. Tudo foi feito às escondidas, sob a capa de um pretenso amor pela Ucrânia e pela nação, sob o pretexto da democracia e do humanismo europeu.
    Em resultado da contra-revolução capitalista, o povo ucraniano perdeu o poder e o controlo sobre tudo o que se passa no país. Hoje, a minoria governa a maioria. Cinquenta pessoas detêm um terço do Produto Interno Bruto. Os ricos tornam-se mais ricos, os pobres mais pobres.
    Denis Netcheporuk
    Publicado no jornal Komunist (06.11), órgão do Partido Comunista da Ucrânia

    De

    ResponderEliminar
  16. José congratulo-me por me aperceber que começa a vergar a espinha. No entanto teima em fazer mola.

    O que eu lhe pretendi dizer (confrontando-o com factos) foi que o capitalismo tomou conta de uma Ucrânia desenvolvida, dispondo de tecnicos altamente qualificados e não soube aproveitar esse manancial, destruiu tudo.

    Percebeu?

    E duas décadas depois em que situação se encontra a mesma Ucrânia? Arrasada e destruida.


    Os padrões de vida da maioria da população regrediram para niveis Terceiro Mundista. A quebra demografica é assustadora, em 20 anos a população teve uma baixa de 10 % sem contar com a emigração.


    A industria, mesmo aquela de ponta, definha, outra parte foi abocanhada por empresas Ocidentais que de seguida transferiram as fabricas para outros países.


    A produção agricola é pouco mais de metade de 1991. Deve saber que a Ucrânia era considerada o celeiro da URSS?


    Podia-mos seguir enumerando muitas, mas muitas outras situações iguais, para apontar o descalabro que o capitalismo provocou nestes 20 anos.


    Como por exemplo; quantas empresas fecharam, a quebra na produção de trigo, o regresso do analfabetismo, as milhares de jovens que fogem da miséria para servir nos bordéis da Europa, os cidadãos com cursos superiores que veem fazer serviços que os Europeus recusam.


    É melhor ficar por aqui.


    Face a esta realidade testemunhada por relatórios de instituições internacionais fidedignas, considero muito estranho insistir culpando os Comunistas por uma situação que não têm qualquer responsabilidade?


    Só alguém que ignore as posições criticas sempre assumidas por o PCU ou pretenda fazer uso da má fé é que pode tentar atribuir essa responsabilidade aos comunistas por a situação catastrófica em que a Ucrânia mergulhou.


    Para tirar dúvidas pode pesquisar aqui: http://www.kpu.ua/


    José não costumo ser radical no trato com os meus oponentes, procuro convence-los com factos,(é o estou fazendo consigo) mas face à insistente fuga da verdade que vem praticando, sinto-me no direito de abandonar essa condição , isto porque não posso aceitar trocar impressões com alguém que usa a intrujice como modo manter dialogos.


    Caro José por muito que lhe custe e por todo o ódio que nutra pelos comunistas, tem que ter a humildade em reconhecer que o capitalismo não levou nada, absolutamente nada mesmo de bom aos povos dos antigos países Socialistas.

    Conti......

    .Cin Gori


    ResponderEliminar
  17. Vou descrever-lhe uma situação que vivi o verão passado numa viagem que fiz da Polonia para a Bielorrussia.



    Por razões de preço da viagem fui de avião até Varsóvia e depois segui de comboio para Brest, na Polonia vi gente a mendigar por todo o lado (idosos sentados no chão, crianças a perseguir os turistas) , até à ultima estação (Terespol) foi sempre assim, entrei na Bielorrussia (Brest) não vi mais essa situação social degradante. Sabe porque? Na Bielorrússia está um governo que zela por os direitos dos seus cidadãos.

    É o único país que fazia parte da URSS que já conseguiu ultrapassar o PIB de 1991.

    É hoje o quarto fabricante mundial de máquinas de transporte de terras e mineração.

    Tem 10 milhões de habitantes produz 12 milhões de toneladas de trigo anualmente.

    Fabrica os famosos frigoricos Atlant e Minsk ainda andam por cá alguns.

    Exporta tratores para todo o mundo.

    E os cidadãos pagam de renda de casa uma percentagem diminuta do seu ordenado.

    Isto é uma pequena descrição do que é a Bielorrussia (quase) Socialista.

    Veja aqui: http://www.youtube.com/watch?v=f2tFH74HHJ0

    http://www.youtube.com/watch?v=Uq78M1PoSsI

    Pode ver aqui também o processo de fabrico dos frigoríficos Atlant “Атлант".

    http://www.youtube.com/watch?v=68Rsq_B00WU

    Se os dirigentes Ucranianos e Russos tivessem governado em beneficio dos seus cidadãos tal como tem feito Lukashenko, esses países com toda a certeza não se encontravam na situação calamitosa em que estão.


    E por esta pequeníssima amostra pode arredar desde já todas as duvidas que tem acerca da governação dos comunistas.

    Os verdadeiros comunistas são governantes sérios que se preocupam com o bem estar das populações e não com as suas contas bancárias.

    Cin Gori

    ResponderEliminar
  18. «..não costumo ser radical no trato com os meus oponentes...não posso aceitar trocar impressões com alguém que usa a intrujice como modo manter dialogos.»
    Acontece que eu não neguei nada do que anteriormente disse e pus-lhe duas questões.
    Aprouve-lhe começar por imaginar-me de espinhela caída, respondeu a coisa nenhuma, e serviu-me uma espécie de projecto de insulto.
    Quuanto ao diálogo fique descansado porque só me serviu um monólogo. Apraz-me ainda informar-lo que nada de errado se passa com a minha espinha e que se nada me perturba dobrá-la em saudação a um bom argumento, não o faço só porque mo exigem.

    ResponderEliminar
  19. Anónimo28/2/14

    Nada de errado se passa com a espinha do José?
    Francamente .
    O espinhaço rastejante perante a troika , a merkel e os credores chama-se mesmo o quê?

    Quanto ao monólogo...monólogo é a provocação do josé perante o pactuar com a situação capitalista da ucrâmia?
    O josé aprende tanto com uns tipos do tipo dum tal argala,não é?
    É que essa malta também diz por exemplo que o PC pactua com o status quo.E o josé não só os imita, como quando está para aí voltado até lhes faz declarações de amor
    Lembra-se não?Um momento daqueles fica na memória. A junção cobarde dos
    Lol

    De

    ResponderEliminar
  20. Andas outra vez a faltar às consultas...!

    ResponderEliminar
  21. Anónimo1/3/14

    De grande interesse para o debate este comentário do José.José que oscila entre isto, a propaganda escondida e desvairada à troika, a propaganda escondida aos movimentos de extrema-direita.
    Avancemos com o debate.
    De Higinio Polo,Licenciado en Geografía e História, e Doutor en Historia contemporánea pela Universidade de Barcelona (assim será mais considerado por algumas aves raras da nossa praça)

    "El Gobierno de Kiev es ilegítimo, es un Gobierno compuesto de ultranacionalistas, miembros de la extrema derecha, e incluso de simpatizantes nazis que están enviando grupos de matones armados por diferentes territorios de Ucrania en su intento de apoderarse de la mayor parte del país y, a partir de ahí, impulsar un determinado programa", asegura Polo.

    El historiador enfatiza que no hay que olvidar las visitas al Maidán de "ministros, senadores y responsables de la Unión Europea y norteamericanos" que, según apunta, tuvieron un decisivo papel en la evolución de los acontecimientos.

    "Hay que recordar también que la financiación de estos miembros de la oposición que se han apoderado del Gobierno en Kiev les llegó desde distintos países occidentales", subraya el experto.

    De

    ResponderEliminar