Mostrar mensagens com a etiqueta Saúde. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Saúde. Mostrar todas as mensagens

Quem matou David Duarte?

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

A morte do David Duarte não tem outro nome. É um assassinato. E quando assim é, a culpa não é só de quem dispara. É também de quem aponta e de quem dá a ordem. É de quem o encaminhou para um hospital sem recursos humanos, é de quem deu a ordem de limitar o financiamento à assistência hospitalar e é de quem a executou. É, principalmente, do anterior ministro da Saúde que, antes, havia sido administrador de uma seguradora e que seguiu os interesses dos grandes grupos económicos e financeiros na gestão do Serviço Nacional de Saúde. É de Passos Coelho e de Paulo Portas que nos chamaram piegas e exigiram que aguentássemos a tragédia sem protestar.

Este é o retrato de um país esmagado pelas políticas impostas por PS, PSD e CDS-PP a mando do FMI, da UE e do BCE. Se a raiva que nos corre nas veias é a mesma de quando vemos os corredores hospitalares cheios de macas como se tivesse havido um terramoto, se é a mesmo de quando vemos os nossos idosos pedir esmolas pelas ruas, se é a mesma de quando as entradas das lojas se enchem de sem-abrigo ou de quando os aeroportos são a porta de saída dos nossos familiares, se é a mesma de quando temos, uma e outra vez, de deixar de alimentar decentemente os nossos filhos para pagar a dívida dos bancos, se é assim, então, não temos de nos espantar quando outros povos arrastam violentamente do poder os carrascos que os conduzem ao abismo. É urgente romper com o capitalismo.

OTHON e o direito à habitação

quinta-feira, 30 de abril de 2015

OTHON é uma curta metragem que mostra uma grande realidade. Filmado com a distância do documentário de observação, os realizadores passam um mês no antigo e luxuoso Othon Palace Hotel, em São Paulo, captando o quotidiano de um microcosmos de famílias que ocuparam o edifício há muito abandonado.

A ocupação é protagonizada por um movimento de ocupas denominado por Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto que pretende organizar várias famílias a reclamarem um espaço para habitar. De diversas zonas do Brasil, as famílias que encontram um quarto no Othon são todas da classe trabalhadora. Pouco qualificados, queixam-se do salário ser apenas uma escolha entre um tecto ou a fome. Muitos conhecem a rua onde habitaram vários anos, outros de melhor sorte encontraram no desemprego o fim da sobrevivência precária que levavam antes.

Ser enfermeiro no país da austeridade, por Mário A. Macedo

segunda-feira, 27 de abril de 2015

6 Série "Ser no país da austeridade"


6H00. O despertador faz eco pelo quarto. Acordo num sobressalto, sem saber ao certo o que se passa. Faz já 3 semanas desde a última folga. O corpo já pede descanso, mas arrasto-me para fora da cama para mais um turno. Desde que a “crise” começou que somos cada vez menos, rara é a semana que não há notícia de mais um colega a fazer as malas e a emigrar para o Reino Unido, Irlanda, França, Suíça… Só no período 2010-2014 foram mais de 10.000 colegas a fugir de país que não oferece ordenado condigno, que não oferece carreira, que não oferece um trabalho... que não oferece um futuro! Destas dezenas de milhares de enfermeiros, apenas uma fracção foi substituída, cabe a quem fica trabalhar por 2 ou 3. Não deixa de ser incompreensível esta situação, uma vez que é na enfermagem onde encontramos uma das mais altas taxas de desemprego, superior a 50% entre os recém-licenciados!

Isto não é um hospital, é um matadouro.

terça-feira, 14 de abril de 2015

video

Isto, é crime. Paulo Macedo é um criminoso.

Vou fazer um movimento social para partir os torniquetes das casas de banho da estação de camionagem de Sete Rios: A Mijadela tem de ser Mais Democrática.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Estação de camionagem de Sete Rios. Ontem. Fui lá deixar o meu pai que ia apanhar um autocarro. Chegamos, vamos à bilheteira, bilhete comprado. Digo-lhe eu, a casa de banho é ali, se precisares de ir antes da viagem. Antes mesmo de ele me responder reparo que a casa de banho agora tem um torniquete. Não acredito. Aproximo-me e sim, quem quiser utilizar a casa de banho da estação de Sete Rios tem de pagar 50 cêntimos.

Estamos a falar de um local público, onde a grande maioria das pessoas se prepara para fazer uma viagem de algumas horas e onde outras as vão deixar ou receber. Na estação de comboios de Santa Apolónia a história é a mesma, com uma pequena diferença - que não torna a opção mais aceitável -, em redor sempre há cafés e os comboios até têm casa de banho. Os autocarros supostamente também têm, mas quem já viajou na Rede Expressos sabe bem que nunca funciona. Sai caro fazer a limpeza e comprar os produtos necessários para evitar os maus cheiros.

O eclipse da sociedade

quarta-feira, 18 de março de 2015

Onze de Agosto de 1999, o advento de um eclipse total solar, porventura o último do milénio, e com observação parcial em Portugal (62%-77%, Faro-Bragança) é motivo de grande euforia para a população em geral. Oportunidades destas, embora não tão raras como se possa pensar, representam a altura ideal para a divulgação da ciência, aqui em particular da astronomia. Esta ciência natural que estuda os corpos celestes encontra-se entre as mais famosas para um público leigo, ainda que seja muito mais provável (leia-se muito x10^13) encontrar tretas inventadas sobre astrologia do que um bom texto sobre astronomia em qualquer jornal ou programa de televisão. Tal interesse é patente na antiguidade que a astronomia tem, pela força da observação no grande observatório que é a Terra e a sua influência directa sobre as nossas vidas (falo das marés, estações do ano, etc. e não do destino traçado para um desgraçado caranguejo com ascendente em Marte!), não fosse mesmo culturas pré-históricas terem deixado inúmeros artefactos e construções (Stonehenge por exemplo) relacionados com a observação da movimentação dos corpos celestes, mostrando como é antiga a vontade de perceber o que se passa na esfera celeste.

Juros da dívida, um vírus mortal.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Por cada dia que passa, incluindo sábados e domingos, o país paga cerca de 21 milhões de euros de juros da dívida. Religiosamente.

Portugal gasta cerca de 71 milhões de euros com complicações de saúde desenvolvidas nas fases finais da infecção crónica por HepC. O mesmo que gasta em 3 dias e meio com juros da dívida.

Morrem cerca de 1.117 pessoas por ano em Portugal devido a complicações com origem na infecção por HepC.

Condenados ao corredor da morte

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015


O Macedo que ainda não se demitiu

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Sem que até aqui se tivesse percebido muito bem porquê, Paulo Macedo, à data e hora de redacção deste post “ainda” ministro da Saúde em Portugal, veio gozando na comunicação social dominante de uma invulgar «narrativa» que o «vendeu» - ou tentou «vender» - à opinião pública como «ministro bom» ou «ministro competente». A ocorrência verdadeiramente criminosa – não há outra forma de a classificar – de dois casos de extrema gravidade, no espaço de poucos dias, em que dois doentes acabam por morrer após horas de espera nas urgências de dois hospitais distintos – Lisboa e Santa Maria da Feira – só veio demonstrar aos olhos dos mais ingénuos ou dos mais distraídos acerca da verdadeira situação do sector da saúde neste país, o quão nefasta, fria, arrogante, desumana, indigna e criminosa pode ser a política do corte cego que norteia e perpassa todos – repito – todos os ministros e ministérios deste governo.

Ébola em perspectiva

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Coloquemos o Ébola em perspectiva:
- é uma doença tratável, cuja taxa de letalidade pode ser moderada a baixa mediante cuidados de saúde adequados;
- não é muito contagiosa, sendo transmitida apenas pelo contacto directo com fluídos de um paciente que já manifesta os sintomas (não é contagiosa durante o período de incubação), sendo o contágio evitável através das boas práticas de higiene médica.
Então porquê toda a histeria em seu torno? E se é tratável e pouco contagiosa, porque se propaga na África Sub-Saariana (AfSS)? A resposta tem em parte que ver com algo que o Ocidente teima em não querer enfrentar, pela responsabilidade que acarreta: a pobreza nesses países, incluindo a falta de acesso a comida, água potável, medicamentos e os cuidados de saúde, são o principal factor responsável pela alta taxa de doenças infecciosas e outros problemas?

Filhos da puta

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Não sei bem por onde começar, confesso. O cancro é uma doença filha da puta; diz-me muito, não por mim, felizmente, mas por outros. Sim, aquela mania de tomar as dores dos outros como se fossem minhas. Ou nossas. Poucos ou nenhuns estarão entre os sortudos que não têm um amigo ou familiar que teve ou tem cancro.

Eu tive, bem de perto, e guardo cá dentro uma das imagens que há-de acompanhar-me para sempre. O Público de hoje conta-nos uma história daquelas que devia fazer-nos corar de vergonha.

Saída Limpa #3

quarta-feira, 26 de março de 2014


Cuidados e Direitos na morte. Eutanásia?

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Os nazis usavam a expressão Eutanásia para definir o assassinato dos mentalmente incapacitados e embora não tenham partido da eutanásia voluntária ou activa para chegarem aos pontos aonde chegaram: a História também ensina coisas.

Na Holanda, são eutanasiadas pessoas que já não podem decidir por si, com indicação médica, como os doentes Alzheimer e com isto não me refiro à concepção de testamento vital em que se pode decidir, em juízo e teoricamente, sobre os cuidados paliativos que queremos ter perante a possibilidade da doença incapacitante ou da morte iminente, previsível ou inevitável. Na Bélgica houve uma “discussão” que resultou, neste momento, na legalização da Eutanásia para crianças.

Porque rir é o único remédio...

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

E pronto, hoje o dia foi especial. Segue-se uma lista de uns quantos momentos "HAHAHAHAHA". São aqueles momentos em que alguém decide argumentar, agir, legislar, enganar, roubar, etc e tal, de forma tão absurda que só nos resta rir. Depois é respirar fundo, e combatê-los. Enfim, sem mais delongas e sem comentários...divirtam-se!

Roubado do Facebook do Miguel Tiago: "Deputado do PSD acaba de dizer que a diminuição da natalidade se deve, em parte, à emancipação da mulher. É preciso dizer mais alguma coisa?"

O bullying não acaba na Escola

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O Nélson tinha 15 anos e era vítima de bullying na escola. Este fim-de-semana o Nélson não aguentou mais e decidiu deixar de ser humilhado, matou-se. Apesar de já ter acompanhamento psicológico no próprio estabelecimento de ensino, o director da mesma consegue afirmar que na quinta e na sexta o Nélson esteve na escola e não estava a viver uma situação diferente do normal. Só que o normal do Nélson era sair de casa com medo. O director diz que realmente tinha havido uma "brincadeira". É assim que o bullying continua a ser encarado por alguns, como uma "brincadeira".

O Ministro da Educação, Nuno Crato, já reagiu: é necessário ser inflexível com o bullying. A Confederação das Associações de Pais também já disse ao Ministro que se ele continua a cortar na Educação, é muito natural que a vigilância destes casos e o apoio às vítimas sofra consequências sérias. E este mesmo Ministro que se mostra intransigente com o bullying, é o mesmo que desde que ocupa o lugar não faz outra coisa que não seja coagir os trabalhadores que tutela. O bullying não acaba na Escola. Este governo e o capital sabem disso, e praticam-no a cada dia, sem olhar a danos colaterais.

Doentes mentais

Na sala de espera do hospital psiquiátrico a máquina de café é o centro das atenções. Não se percebe porquê. Mas também, que raio, há muita coisa incompreensível num lugar destes. E há outras demasiado claras, por vezes tão claras que ofuscam. É como na alegoria da caverna, quando o homem saiu da escuridão não podia ver. Não quer isto dizer que aqui se vê ou se deixa de ver a luz, mas apenas que muita da insanidade pode não ser.

Uma mulher grita que há demasiada gente na sala de espera e que está farta de aguardar, que está a ficar nervosa. É louca, diz o que todos pensam. Mas apesar da gritaria ninguém lhe leva a mal, afinal aquilo é o manicómio. E aqui não há país de brandos costumes. Duas enfermeiras aproximam-se e diagnosticam: “Tomaste dois cafés, só devias ter tomado um, depois ficas assim”. Lá está! A culpa é da máquina do café. Não é da degradação do SNS, da redução do número de médicos nem do encerramento de outro hospital psiquiátrico, e também não é da ideia que doença mental não é doença, é loucura.

Saúde "mínima" nas cadeias

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Há uns dias na rádio, notícia que não consigo localizar na rede, por inabilidade minha ou porque ela não está mesmo acessível para o consumo da pessoa que se quer informar melhor(?), ouvi que os cuidados de saúde prestados nas cadeias portuguesas estão desde o dia 1 de Janeiro deste ano em “serviços mínimos”.

Hoje farias 55 anos, Pai

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Farias 55 anos. Recordo-me de dizeres que começaste a trabalhar aos catorze. Recordo-me das histórias de quando, durante o fascismo, tu e os teus irmãos comiam pão (se o houvesse) e uma sardinha. E que a avó escondia o pão debaixo da terra. Lembro-me das histórias de atirares os gatos para o meio das silvas. E de ver-te a atirar gatos para veres se caíam de pé. Lembro-me das horas que passava a olhar os vinis na tua loja, esperando um dia estar ao teu lado a falar sobre eles. Lembro-me de esperar horas pelo teu programa na rádio pirata e da tua frase «esta é para a minha baixinha». Não acertaste na música e eu nunca te disse. Lembro-me do primeiro jogo nas Antas, em que ganhámos ao Sporting e fomos comer bifanas a seguir.

Lembro-me de todos os carros velhos que me davas que eram os únicos brinquedos de que gostava. Lembro-me do clube de vídeo. O primeiro. Da única vez que foste ao infantário de mota buscar-me. Estive quase 16 anos longe de ti. Até que a vida nos reaproximou, para nos afastar pouco depois. Quando regressei, construímos a nossa amizade inquebrável.