Mostrar mensagens com a etiqueta Direitos das Mulheres. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Direitos das Mulheres. Mostrar todas as mensagens

Se a mulher já pode decidir, o Estado desistiu de proteger - os casos da IVG em Portugal

terça-feira, 17 de julho de 2018

- 11 anos depois da publicação da Lei que finalmente alterou a criminalização da Interrupção Voluntária da Gravidez - apesar dos recuos que a direita retrógrada tentou forçar mas a luta derrotou - não servem apenas os relatórios numéricos da Direcção Geral de Saúde ou as suas análises quantitativas.

O ciúme como fonte de direito

domingo, 22 de abril de 2018

Eu deveria ter pouco mais de 25 anos quando, em Ovar, confrontada com um colectivo de juízes (mulheres) vi o julgamento ser interrompido porque a juiz presidente entendia que estávamos perante um crime continuado e não uma reincidência. Apesar dos meus melhores esforços para explicar que já tinha havido julgamento pelo crime prévio - violência doméstica - e este teria sido cometido 3 anos mais tarde, já contra mulher e filhas, de pouco me valeu. O julgamento foi interrompido.

Marielle, Rosa, Catarina, Iñez, Alice

segunda-feira, 19 de março de 2018

A lista é infindável. As mulheres executadas porque defendem ideais que combatem a ordem vigente, rompem com o domínio do poder capitalista cujos instrumentos passam pela subjugação da mulher, da mulher negra, da mulher operária, da mulher reivindicativa, da mulher que luta contra um conceito de uma sociedade patriarcal que as quer silenciadas e no lar.