Mostrar mensagens com a etiqueta Direitos. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Direitos. Mostrar todas as mensagens

Há bestas que defendem o regresso ao séc. XIX

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017


Exaustão médica: Realpolitik VS. A Puta da Realidade

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Quando vamos ao médico queremos ser atendidos bem, rapidamente e de preferência sair de lá curados. Calculo que todos os profissionais que nos atendem no SNS e no privado desejem o mesmo, Hipócrates assim obriga. Certamente que, como em todas as profissões, haverá melhores e piores profissionais, é o que é, não há grande volta a dar. Mas no caso dos médicos e médicas, quando há um erro é grave, é mais grave do que em quase todas as outras profissões. E não são poucas as notícias que nos chegam de possíveis negligências médicas ou de consultas que demoraram meses a acontecer e depois foram despachadas em minutos.

E se devemos continuar a exigir que principalmente no SNS a excelência, a paciência, a simpatia, o profissionalismo, a dedicação, sejam as únicas bitolas possíveis, o que fazer quando nos deparamos com um clínico que não dorme há mais de um dia inteiro? Que tem o cansaço de anos totalmente estampado no rosto? Que é obrigado a fazer horas extraordinárias sem fim e sem pagamento? Que aceita tudo isto porque Hipócrates assim obriga e porque o SNS tem de fazer tudo para ser eficaz, para combater as listas de espera, para combater a desorganização provocada pela falta de médicos, enfermeiros, auxiliares e administrativos.

E de repente ficamos a saber que "quase metade dos médicos da zona centro do país apresenta sinais de exaustão emocional, um fenómeno também conhecido por burnout. Um estudo agora divulgado pela secção centro da Ordem dos Médicos revela que um em cada quatro clínicos sofre de depressão. Os médicos mais jovens e os do sexo feminino são os mais afectados."

Mensagem de Gregório Duvivier aos trabalhadores portugueses do espectáculo e do audiovisual

quinta-feira, 2 de junho de 2016


No Brasil luta-se. Luta-se pela democracia, pela manutenção de alguns direitos sociais e laborais que os governos do PT conseguiram implementar, luta-se pela decência. O actor, poeta, cronista, ilustrador e homem de ainda mais instrumentos, Gregório Duvivier, mais reconhecido em Portugal como "aquele da Porta dos Fundos", tem estado na linha da frente destas lutas e também na luta contra o desaparecimento do Ministério da Cultura no Brasil.

O Gregório está em Portugal, com o seu espectáculo "Uma Noite na Lua" e o CENA - Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espectáculo e do Audiovisual, foi conversar com ele. Falou-se da situação dos trabalhadores do sector em Portugal, comparou-se essa situação com a dos trabalhadores brasileiros. O Gregório ficou de olhos esbugalhados com as condições em Portugal. Sendo certo que no Brasil há ainda muitas conquistas a serem feitas, o que ele transmitiu ao CENA é que os trabalhadores brasileiros deste sector são respeitados, têm direito à vida. Isto é, têm contratos de trabalho, os horários são cumpridos, existem tabelas salariais, etc.

"Para que a precariedade não seja o novo normal" por Luís Filipe Cristóvão

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Os números seriam mais assustadores, não fosse o caso desta realidade não nos tocar a quase todos bem de perto. A precariedade no emprego veio para ficar e muitos encaram-na, hoje em dia, como se fosse normal, até mesmo aceitável, que 61,5% dos jovens trabalhadores tenham vínculos precários, que existam cerca de 130 mil jovens desempregados inscritos nos Centros de Emprego sem acesso a qualquer tipo de apoio, que 2/3 dos portugueses entre os 18 e os 34 anos de idade vivam em casa dos pais, sem condições para viver em casa própria.

Vou fazer um movimento social para partir os torniquetes das casas de banho da estação de camionagem de Sete Rios: A Mijadela tem de ser Mais Democrática.

quinta-feira, 26 de março de 2015

Estação de camionagem de Sete Rios. Ontem. Fui lá deixar o meu pai que ia apanhar um autocarro. Chegamos, vamos à bilheteira, bilhete comprado. Digo-lhe eu, a casa de banho é ali, se precisares de ir antes da viagem. Antes mesmo de ele me responder reparo que a casa de banho agora tem um torniquete. Não acredito. Aproximo-me e sim, quem quiser utilizar a casa de banho da estação de Sete Rios tem de pagar 50 cêntimos.

Estamos a falar de um local público, onde a grande maioria das pessoas se prepara para fazer uma viagem de algumas horas e onde outras as vão deixar ou receber. Na estação de comboios de Santa Apolónia a história é a mesma, com uma pequena diferença - que não torna a opção mais aceitável -, em redor sempre há cafés e os comboios até têm casa de banho. Os autocarros supostamente também têm, mas quem já viajou na Rede Expressos sabe bem que nunca funciona. Sai caro fazer a limpeza e comprar os produtos necessários para evitar os maus cheiros.

Este texto não é sobre o Passos Coelho e a Segurança Social, é mesmo sobre a EDP e sobre como o capital é um monstro desumanizado que é preciso escavacar de alto a baixo

terça-feira, 10 de março de 2015

A história é simples e fácil de ser contada. A EDP anunciou lucros de 1.040 milhões de euros no ano de 2014. Eu escrevo por extenso: mil e quarenta milhões de euros. Extenso mas em números: 1.040.000.000,00. É muito zero. Melhor ainda, os lucros subiram 4% relativamente a 2013.

E a nossa, a que temos de dispender a imaginar como pagamos a conta da luz.
O que também subiu no início de 2015, foi o custo da electricidade. Parece que teremos de chegar ao fim do ano com uma subida de cerca de 3,3%, ordena Bruxelas. É preciso acabar com essa treta do défice tarifário, dizem eles. Por cá, quem fica com um défice bem estampado nas contas diárias, são as famílias e as pequenas empresas nacionais.

O direito a ser família

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

A noção de família está em constante mutação. Ela diverge não só na sociedade mas também em cada indivíduo. O que para um significa viver sozinho, sem filhos, para outro significa viver com um ou uma companheiro/a, sem filhos, para outros, com filhos. Esta mutação tem gerado um intenso debate com as naturais complexidades que se nos colocam ao encontrar soluções para dar resposta legal a assuntos que talvez há uma década nem sequer se pusessem. É o caso, por exemplo, dos enteados (palavra tão negativamente carregada) que não têm direitos na sua relação com os padrastos e madrastas e até hoje apenas em França se encontrou uma forma de ir resolvendo com legislação sobre co-parentalidade.

Sócrates, ou a vã glória de mandar

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Inadvertidamente, o meu ouvido tropeçou numa «entrevista» de 6 perguntas a José Sócrates, ex-Primeiro Ministro de Portugal que, como todos sabem, se encontra detido preventivamente. Sobre direito penal, sou particularmente sensível às teses que se conjecturam quanto ao ordenamento jurídico que o compõe.

A "democracia" de PS/PSD/CDS Vs. a firmeza na defesa dos direitos

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Quando nos pedem exemplos concretos das consequências da política de direita praticada por PS/PSD/CDS ao longo destes quase 40 anos após o 25 de Abril, é disto que falamos.

Sócrates na prisão

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

«O sistema vive da cobardia dos políticos, da cumplicidade de alguns jornalistas, do cinismo dos professores de Direito e do desprezo que as pessoas decentes têm por tudo isto" (...)"Prende-se principalmente para despersonalizar. Não, já não és um cidadão face às instituições, és um "recluso" que enfrenta as "autoridades": a tua palavra já não vale o mesmo que a nossa. Mais do que tudo - prende-se para calar"»

A grande mentira de Costa

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

«É preciso avisar toda a gente. Dar notícia, informar, prevenir.» Luís Cília pede mais flores, avisa que por cada flor estrangulada, milhares de sementes estarão por florir. No caso de Costa e deste perigoso PS, é preciso avisar toda a gente, relembrar e prevenir: a semente está podre, nada há a florir.

Cultura e preconceito

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Era assim que devia ser...
"Não é pelo preço dos bilhetes que os portugueses não consomem cultura – não o fazem porque não são cultos, porque a escola não os educa para a cultura. Ninguém regateia o preço de um bilhete de futebol, de um concerto rock ou de um gin no Bairro Alto…"
A afirmação pertence a António Filipe Pimentel, o director do Museu Nacional de Arte Antiga, em entrevista ao Público de 2 de Novembro.

Dissecarei agora estas afirmações e sobre elas tecerei os meus comentários.

Mota Soares, o exterminador dos direitos sociais

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

O processo liquidação que Mota Soares há muito iniciou contra a Segurança Social tem passado pelos pingos da chuva. Medida atrás de medida, o sistema público e universal de Segurança Social tem vindo a ser destruído através da imposição de medidas restritivas de acesso às prestações sociais, de fiscalização pidesca de quem as recebe (como se todos se tratassem de criminosos) e do encerramento de serviços por todo o país.

"Mais vale pedir que roubar" por Fátima Rolo Duarte

terça-feira, 11 de novembro de 2014

O alegadamente jovem (será?) recente opinador Pedro Marques Lopes tem dos jornais uma ideia caricatural, ingénua. Imagina-os como ursos polares sentados em frágeis e diminutos blocos de gelo, ou seja, vítimas da natureza humana em forma de leitores mal intencionados, ursos condenados a uma injusta e perigosa extinção. Um país sem jornais é uma desgraça de país. Um país com maus jornais é o quê? Portugal já teve bons jornais que vendiam e disto tenho provas em papel. O Diário de Notícias, nomeadamente, vendia a sério no passado ainda recente de Mário Bettencourt Resendes, e agora? Vende 12034, para menos e não para mais. Leram bem: 12034 exemplares contando, imagino, com os que lemos nos aviões, comboios e sei lá mais por onde se espalha o DN para arredondar números.

Que remédio tem e graças aos seus fiéis leitores de hábitos, resistentes. Na maioria pessoas de idade para quem o DN se constitui em referência histórica que se mistura com a vida das pessoas. O edifício da Avenida da Liberdade, belíssimo, por sinal, o logótipo redesenhado, mas que mantém as linhas do seu passado de muitos e bons anos. O Pedro, na medida do que lhe é possível, apela para o sentido de responsabilidade dos leitores e de forma cândida culpabiliza-os afectivamente pela resistência ao pagamento da opinião online.

O trabalhador morreu

terça-feira, 5 de agosto de 2014

«Tira o chapéu, milionário, vai um enterro a passar. Foi a filha de um operário, foi a filha de um operário, que morreu a trabalhar.»

Lembro-me exactamente da primeira vez que ouvi frase, cantada entre a «gota d'água», com uma adaptação popular dos militantes comunistas. Sentada em Aveiro, na nossa Festa, olhava os camaradas cuja veia vibrava nas suas gargantas enquanto entoavam as letras que desconhecia. E imaginava um homem, de fato, com um grande chapéu, olhando os operários com as suas fardas azuis envergando um pequeno caixão.

Daqui ___________________ ali, já não há nada a perder

domingo, 18 de maio de 2014

É fácil ouvir a desesperança nas palavras quotidianas. Na verdade, a economia "de mercado", a obsessão com défices, as "regras de ouro" acabaram por transformar, passo a passo, na mesmíssima estrada percorrida há muitas décadas, cada um de nós para cada um dos outros em mais um.

Mais um que consome recursos do Estado, mais um que rouba empregos, mais um que se vende cada vez mais barato baixando os salários de todos, mais um doutorado, mais um analfabeto, mais um sem subsídio de desemprego, mais um subsídiodependente.

Abril é muito mais que liberdade

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Todos os anos, em Abril, aqueles que com as suas mãos escrevem e assinam despachos, Decretos-Lei, Projectos-lei, ordens de serviço, portarias, artigos de opinião e memorandos repletos de insultos aos trabalhadores, aos reformados e pensionistas, aos estudantes e, em geral, ao povo português, enchem a boca com a palavra liberdade como se fossem pipocas a estalar e lá fazem a festa da mistificação, da deturpação e das omissões sobre o fascismo, sobre a revolução e sobre a contra-revolução. Os organizadores da gala deste ano superaram-se, só lhes faltou mesmo converter o fascismo em sinónimo de tempo em que a televisão era a preto e branco. A acreditar nesta gente, uma das grandes conquistas do 25 de Abril foi o consumo de coca-cola e até dá ideia que na origem golpe militar está a vontade de os namorados andarem livremente de mão dada. Liberdade sexual q.b., liberdade de expressão q.b. e sufrágio universal: é isto que dizem que celebramos anualmente.

A coisa chegou ao ponto em que tive de reler o programa do MFA, a carta constitucional que vigorou, ou que deveria ter vigorado, até à aprovação da Constituição. Respirei fundo. Já temia que tivesse imaginado, mas não. Lá estava:

Abril, exclama-se: a decisão do povo português de defender a independência nacional, de garantir os direitos fundamentais dos cidadãos e de abrir caminho para uma sociedade socialista

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Nasceu a 10 de Abril e fez quarenta anos este ano.
Enquanto falávamos das notícias eu disse-lhe «imagina que o Governo ia agora a qualquer sítio e, de repente, os militares cercavam o edifício e o pessoal ao saber disso enchia as ruas e não os deixava sair...
- Os militares? Tinham que ser os militares?
- Não sendo, provavelmente vinham os robocops e apanhávamos todos porrada.
- Mas estás a dizer isso no dia 25?
- Um dia, um dia qualquer!
- Não. Foi isso que aconteceu? No dia 25? Estou farta de perguntar, nunca ninguém me explicou!»

Há dois dias tinha estado a mostrar canções de Abril à minha irmã de 5 anos. Hoje dei por mim perdida a dizer tudo o que aconteceu na noite (as partes que conheço) e nos dois anos em que ninguém diz que houve comunistas a criar um mundo novo, mesmo aqui. Para alguns são papéis. Para muitos foi a primeira vez que ouviram falar em direitos. Disse-lhe logo, o livro mais bonito é a nossa Constituição. Mas esse, vamos lê-lo esta semana.

Cuidados e Direitos na morte. Eutanásia?

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Os nazis usavam a expressão Eutanásia para definir o assassinato dos mentalmente incapacitados e embora não tenham partido da eutanásia voluntária ou activa para chegarem aos pontos aonde chegaram: a História também ensina coisas.

Na Holanda, são eutanasiadas pessoas que já não podem decidir por si, com indicação médica, como os doentes Alzheimer e com isto não me refiro à concepção de testamento vital em que se pode decidir, em juízo e teoricamente, sobre os cuidados paliativos que queremos ter perante a possibilidade da doença incapacitante ou da morte iminente, previsível ou inevitável. Na Bélgica houve uma “discussão” que resultou, neste momento, na legalização da Eutanásia para crianças.

O próximo a ser encostado a uma parede por uma G3 és tu

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Um amigo enviou-me isto ontem. Estava distraída ao ler e apenas vi não sei o quê de umas revistas em Lisboa pelo Corpo de Intervenção. Guardei-me para hoje.

Sem tresler, agora a ler.