Mas o fascismo não faz mal ao béu-béu

terça-feira, 20 de novembro de 2018

O fascismo não entra pela sala adentro com certidão do notário e uma suástica na testa a apresentar-se «Nazi Fascismo, muito prazer».

O nazi-fascismo não acontece quando as SA se lembram de vir para a rua de bota cardada e corrente na mão. É preciso uma legião de pessoas que não se interessem por política e que, por isso, não queiram saber se o super-herói justiceiro é anti-semita ou neonazi. A ideologia é uma sensaboria para os beatos do homem-forte porque o que interessa é que ele faz e acontece: pula escorreito as alpondras da lei e da política e faz, pelas próprias mãos, sem precisar de burocracias nem direitos nem de outras dilações maçadoras, a justiça da multidão.

Quer-se, portanto, máxima publicidade de cada auto-de-fé. Para gáudio da turba dos devotos, não nazis, mas pessoas assustadoramente normais: eles são o nosso primo, a nossa colega de trabalho e aquele tio que não gosta de política mas que gosta de ver o cigano que bateu num cãozinho a levar na tromba.... ou pelo menos alguém disse que bateu: se bateu ou não bateu mesmo é só outra sensaboria.

O fascismo precisa de uma multidão que não questione, que venere o super-herói justiceiro e lhe entregue, inteira e incondicionalmente, a sua fé. O devoto do fascismo nunca se questionará por que razão o alvo é sempre o acampamento do cigano, a barraca do miserável ou o quintal do desempregado, mas nunca o aviário do capitalista nem a ganadaria do latifundiário.

O devoto não se importa que o IRA tenha dito ao Observador, sem ironia daquele nem manipulação deste, que sequestram animais e pessoas. Mesmo que isso seja verdade, o devoto quer é que o béu-béu seja salvo dos maus da fita. O devoto não está preocupado com a possibilidade de o IRA estar errado e as suas vítimas serem inocentes: acha bem que se faça a justiça pelas próprias mãos, desde que seja contra os outros. Para o devoto do fascismo, podia haver um IRA privado para bater em quem não faz pisca, outro IRA para ameaçar quem maltrata os idosos, outro IRA para a delação dos pais que batem nos filhos e, porque não, outro IRA que divulgue na internet as fotografias dos criminosos. Assim, em geral.

A milícia de vigilantes é simultaneamente advogado, procurador, polícia e juiz. O seu poder não decorre do povo nem da democracia, mas do troll anónimo e do Facebook. E assim se atiram foram três mil anos de progresso civilizacional e se regressa por causa do béu-béu ao olho por olho, dente por dente.

Não se trata de absolutizar o cumprimento da lei: situações e momentos históricos há em que as leis injustas devem ser ignoradas, mas apenas para que novas leis, mais justas, possam existir. Mas nem o PAN nem o seu braço armado, o IRA, se orientam por princípios racionais de justiça, mas, única e exclusivamente, pela falácia do permanente apelo à emoção,argumentum ad misericordiam, ad nauseam,já agora.

Porque o devoto do fascismo é, por natureza, um náufrago político, agarra-se à primeira tábua que lhe prometer a salvação. Podem-lhe depois vir dizer à vontade que o santo é nazi: o devoto negará tudo. Podem-lhe mostrar fotografias do santo vestido de nazi, a fazer a saudação nazi, com uma t-shirt nazi rodeado de nazis, que ele dirá que é montagem. Podem-lhe mostrar recibos adulterados, confissões de violência física, provas de relações com traficantes de droga… Tudo será em vão. O devoto acusará sempre qualquer conspiração de lobbies tauromáquicos, ocultos, cabalísticos ou comunistas. O fenómeno é religioso.
O que vamos fazer hoje é um sequestro de um animal. Se chegarmos lá e o dono tiver dado sumiço ao animal, poderemos fazer um sequestro do dono até ele nos contar onde está o animal. Não somos a PSP, não somos o SEPNA [Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente], não somos a GNR nem a Câmara Municipal de Lisboa — as nossas ações justificam os fins que pretendemos: o bem-estar animal.

Declarações do IRA ao Observador (1 de Novembro de 2017)

E mesmo que, afinal de contas, o justiceiro seja mesmo fascista o que interessa ao devoto é só isto: o fascismo faz mal ao béu-béu?

A causa do bem-estar animal, a verdadeira, não precisa tanto de acções espalhafatosas de acção-directa e golpes de luzes mediáticos. Foi, por exemplo, por iniciativa do PCP, arguido contumaz de indiferença para com estas preocupações, que acabaram os abates de animais em canis. Mas pôr fim ao abate de dezenas de milhares de animais é, para os beatos urbanitas que adoram o IRA como adoram um bom bife, outra sensaboria.

Há alguns anos, escrevi aqui sobre a gestação do PAN nos círculos mais obscurantistas da extrema-direita portuguesa. Passados alguns anos, confirma-se que não foi apenas o seu fundador que perfilhou ideais nazis. O PAN convive bem com o fascismo, com o racismo e com a criminalidade dos neonazis porque o fascismo convive bem com o PAN. Nestes tempos de desumanidade, emoções rápidas, desinformação generalizada e confusão ideológica, é mais fácil simpatizar com um cão do que com um Homem, porque sentir pena é mais fácil do que sentir solidariedade e a emoção é sempre mais rápida do que a razão.

20 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Fico sempre tão admirado quando vejo o PCP a afastar-se mais e mais das causas que em tempos defendeu... Tristeza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Terä lido este texto?
      Inacreditável.

      Eliminar
    2. Para escrever um comentário destes, é sinal que anda a fumar muita droga.

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Vamos lá espremer a infeliz e aleatória ligação do PAN a alguém que tem ou teve ligações à extrema direita. E vamos lá fazer de conta que o próprio deputado André Silva fez uma saudação "nazi-fascista" enquanto pontapeava um velhinho. Vamos fazer de conta que o PAN é fascista.
    Vamos também fazer de conta que nada disto é relacionado com "qualquer conspiração de lobbies tauromáquicos, ocultos, cabalísticos" do qual o PCP acha que tantos dos seus militantes gostam. Já agora, façamos a vontade a António Santos e vamos chamar fascista e nazi a qualquer pessoa neste país que se recuse a aceitar que os animais sejam usados como entretenimento bárbaro nas suas formas ilegais como as lutas de cães (animal ao qual chamas béu-béu), ou na legal mas cruel tourada. É disto que se trata não é?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um exagero imenso. Só não é tão exagerado como chamar "braço armado do PAN" ao IRA. Ou como associar o PAN ao fascismo porque dá jeito.

      Eliminar
    2. Infeliz e aleatória em que parte da advogada do partido encapuzada num vídeo? Parou o cérebro por aí?

      Eliminar
    3. https://youtu.be/PEPmF9FKxEk?t=555
      É esta a ligação? Uma pessoa que dá conselhos jurídicos a quem faz resgates difíceis?
      A mim pelo menos não me parou o cérebro ao ponto de estar tão desesperadamente a tentar colar o PAN à extrema direita. A menos que o PAN tenha sido abordado pelo IRA e cada um dos membros se apresentou como "Olá, o meu nome é Alfredo, sou Nazi e gostava de agredir ciganos com o vosso apoio".

      Está aí o histórico do PAN no parlamento. Parece um autêntico "Aurora Dourada"...
      http://hemiciclo.pt/pan

      Eliminar
  5. Nao. Algo bem mais grave. A emoção também lhe toldou a razão, Sr.unknown.

    ResponderEliminar
  6. Diz bem quanto aos perigos de crenças sobre política se tornem em fenómeno religioso. Não faltam exemplos cá pelo rectângulo…

    Quanto ao fim do abate nem foi boa ideia e ainda por cima é cara.

    Tudo leva a que os montes se povoem de animais abandonados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caramba! Este agora deu em ler os folhetins do século XIX. Pobre cabeça.

      Eliminar
  7. Bem, com a quantidade de comentários que o autor apagou, acho que também vai excluir o meu.
    A manipulação é evidente, começando pelas fotos usadas. As t-shirts custam 15€ cada uma é qualquer um as pode comprar. As fotos não são do IRA nem estão na página deles.
    Provavelmente, com tanto ódio ao IRA e aos seus seguidores, não me admira que o autor desta escrita esquerdista seja mais um dos que atropela um animal é siga descansado da vida deixando para trás um animal em agonia.
    As melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algum comentário construtivo desse lado «Jasanimicóide? Ao que parece, nenhum.

      Eliminar
  8. O mais curioso no meio de tudo isto é que a maioria dos inimigos dos animais que eu conheço, inimigos do PAN e defensores das touradas são da extrema-direita, simpatizantes confessos de Bolsonaro e Trump. Já não entendo nada disto, não é para entender.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entende? procure melhores companhias...

      Eliminar
    2. E o José também não entendeu. Não me dou com essa gente.

      Eliminar
    3. O José é um provocador que anda no «Manifesto 74» a comentar todos os textos. É também um simpatizante nazi, amigo dos senhorios e de todos aqueles que exploram o ser humano.

      Eliminar