O medo não passará

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O nazi Mário Machado, acabado de sair da prisão por discriminação racial, coacção agravada, danos e ofensa à integridade física qualificada, difamação, ameaça e coacção a uma procuradora da República e posse ilegal de arma de fogo, acaba de acusar um dos activistas da Cova da Moura de ser criminoso. A organização fascista Nova Ordem Social com membros acusados de tráfico de droga e participação em homicídios como o do Alcindo Monteiro publicou fotografias de Jakilson Pereira e pormenores da sua vida pessoal expondo-o como eventual alvo da violência da extrema-direita e da polícia. O seu trabalho na Cova da Moura no Moinho da Juventude, a sua actividade enquanto activista anti-racista, o seu papel como rapper no combate à exclusão e a sua militância comunista não são crime. Criminosos são aqueles que querem impor em Portugal um regime que foi derrotado pelos povos através da revolução de Abril e das lutas de libertação nacional nas ex-colónias.

O populismo racista tem proliferado a propósito da acusação sobre a totalidade dos agentes da polícia na esquadra de Alfragide que durante anos têm espalhado o terror entre os habitantes da Cova da Moura e outros bairros. O substrato mediático que alimenta este surto - como a boçalidade fascista do candidato o PSD a Loures - é o que possibilita que se possa impunemente e sem qualquer pudor publicar os dados de uma pessoa sem reflectir sobre as consequências que isso possa ter para a sua vida. O propósito é espalhar o medo. Recordemos uma vez mais que a Constituição da República Portuguesa não permite a existência de organizações que perfilhem ideais racistas e fascistas.

1 comentário:

  1. « Constituição da República Portuguesa não permite a existência de organizações que perfilhem ideais racistas e fascistas»
    Há que incluir os sociais-fascista nesse rol.
    Por minha também lá punha o uso da língua-de-pau, que tapa toda a merda com anátemas.

    ResponderEliminar